Aeroportos no Brasil: a nova geografia das concessões

Após a nova rodada de concessões, realizada em março deste ano, os aeroportos brasileiros apresentam uma nova geografia. Agora são dez terminais sob a administração da iniciativa privada, sendo que metade ainda conta com participação minoritária da Infraero.

Os aeroportos de Florianópolis, Fortaleza, Porto Alegre e Salvador são os mais recentes a entrarem no rol de concessionados. Todos os quatro agora têm administração 100% privada – São Gonçalo do Amarante também.

Com as novas concessões, empresas de oito países diferentes, incluindo o Brasil, estão à frente de dez aeroportos do país. Na lista há companhias da África do Sul, Alemanha, Argentina, China, Cingapura, França e Suíça.

Das empresas estrangeiras, três têm participação em dois aeroportos.

A alemã Fraport arrematou Porto Alegre e Fortaleza em março. A suíça Zürich Airport vai administrar Florianópolis e já tinha parte de Confins, em Belo Horizonte. A argentina Corporación América está na concessão de São Gonçalo de Amarante e Brasília.

Veja abaixo como fica a divisão dos aeroportos brasileiros que estão sob concessão:

Aeroporto de Porto Alegre
Fraport (Alemanha): 100%

Aeroporto de Fortaleza
Fraport (Alemanha): 100%

Aeroporto de Salvador
Vinci (França): 100%

Aeroporto de Florianópolis
Zürich Airport (Suíça): 100%

Aeroporto do Galeão, Rio de Janeiro (RIOgaleão)
Investidores privados: 51%
– HNA Infrastructure (China): 60%
– Changi Airports International (Cingapura): 40%
Infraero: 49%

Aeroporto de Guarulhos (GRU Airport)
Investidores privados: 51%
– Invespar (Brasil): 80%
– Airports Company South Africa (África do Sul): 20%
Infraero:49%

Aeroporto de Brasília
Investidores privados: 51%
– Infravix (Brasil): 50%
– Corporación América (Argentina): 50%
Infraero: 49%

Aeroporto de Confins, Belo Horizonte (BH Airport)
Investidores privados: 51%
– Grupo CCR (Brasil): 75%
– Zürich Airport (Suíça): 25%
Infraero: 49%

Aeroporto Viracopos, Campinas
Investidores privados: 51%
– UTC Participações (Brasil): 45%
– Triunfo (Brasil): 45%
– Egis (França): 10%
Infraero: 49%

Aeroporto de Natal, São Gonçalo do Amarante
Investidores privados: 100%
– Infravix (Brasil): 50%
– Corporación América (Argentina): 50%

Gustavo Ribeiro
Fundador e editor-chefe do AviaçãoJor.

Leia também

Premiação da Copa do Mundo de 2018 na Rússia com ação da Qatar Airways (Foto: Divulgação/Qatar Airways)

Por que as aéreas do Oriente Médio investem pesado no futebol

Emirates, Eithad Airways e Qatar Airways usam competições e clubes para divulgarem suas marcas. Resultado em campo soma títulos nacionais e europeus
Mercado de turbolélices é dominado por ATR e Bombardier (Foto: Divulgação/ATR)

Por que a Embraer quer voltar a fabricar aviões turboélices?

Fabricante brasileira acredita que ATR e Bombardier oferecem aeronaves antigas e que pode mudar o jogo
Aeroporto de Guarulhos é a principal porta de saída do Brasil (Foto: Divulgação/GRU Airport)

Aéreas brasileiras crescem no mercado internacional

Novas rotas e reforço de frequências têm marcado 2017 para Avianca Brasil, Azul, Gol e Latam
Netflix tem parcerias com Aeromexico, Qantas e Virgin America (Foto: Divulgação/Virgin America)

Netflix quer ampliar oferta a bordo dos aviões

Empresa de entretenimento prepara lançamento de novo serviço, mais rápido e leve, voltado para aeronaves com wi-fi