Brasil vai adotar comunicação por texto entre pilotos e controladores

O espaço aéreo brasileiro terá novidades nos próximos meses. Sai o canal de voz e entra em cena a comunicação por texto entre pilotos e controladores de voo.

É o que fará o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), por meio da tecnologia chamada Comunicação entre Pilotos e Controladores de Tráfego Aéreo por Enlace de Dados (CPDLC).

O sistema permite que pilotos façam requisições e deem informes aos órgãos de controle de tráfego aéreo por comandos de texto pré-definidos em uma interface na aeronave. Da mesma forma, os controladores de voo passam informações e autorizações aos tripulantes técnicos dos aviões.

O CPDLC tem diversas vantagens sobre a transmissão tradicional por voz:

– Aumento da capacidade e clareza nas comunicações;
– Redução do congestionamento do canal de voz;
– Registro de histórico de comunicação;
– Impressão das comunicações;
– Redução de equívocos na comunicação.

O Decea vai disponibilizar inicialmente o CPDLC no Centro de Controle de Área de Recife (ACC-RE), que engloba o espaço aéreo fora das terminais em vários estados do Nordeste e Espírito Santo, e também no Centro de Controle de Área Amazônico (ACC-AZ), que abrange a região Norte e parte do Centro-Oeste.

O uso será gradativo, de acordo com critérios definidos pelo Decea em espaços aéreos de menor complexidade. Os controladores de voo também serão treinados para operar o sistema.

O espaço aéreo de responsabilidade do país sobre o Oceano Atlântico já utiliza o CPDLC desde 2009 e serviu de laboratório para que o Decea expandisse o sistema para regiões sobre o espaço continental brasileiro.

Gustavo Ribeiro
Fundador e editor-chefe do AviaçãoJor.

Leia também

Premiação da Copa do Mundo de 2018 na Rússia com ação da Qatar Airways (Foto: Divulgação/Qatar Airways)

Por que as aéreas do Oriente Médio investem pesado no futebol

Emirates, Eithad Airways e Qatar Airways usam competições e clubes para divulgarem suas marcas. Resultado em campo soma títulos nacionais e europeus
Mercado de turbolélices é dominado por ATR e Bombardier (Foto: Divulgação/ATR)

Por que a Embraer quer voltar a fabricar aviões turboélices?

Fabricante brasileira acredita que ATR e Bombardier oferecem aeronaves antigas e que pode mudar o jogo
Aeroporto de Guarulhos é a principal porta de saída do Brasil (Foto: Divulgação/GRU Airport)

Aéreas brasileiras crescem no mercado internacional

Novas rotas e reforço de frequências têm marcado 2017 para Avianca Brasil, Azul, Gol e Latam
Netflix tem parcerias com Aeromexico, Qantas e Virgin America (Foto: Divulgação/Virgin America)

Netflix quer ampliar oferta a bordo dos aviões

Empresa de entretenimento prepara lançamento de novo serviço, mais rápido e leve, voltado para aeronaves com wi-fi
error: O AviaçãoJor é uma agência de notícias e todo os conteúdos são protegidos por direitos autorais. Se você deseja reproduzir algum conteúdo, acesse o site da agência em http://www.aviacao.jor.br/agencia