Azul antecipa retorno de aviões arrendados à TAP

Desde o último domingo (2), a Azul passou a voar regularmente quatro vezes por semana entre Recife e Orlando, nos Estados Unidos. O aumento da frequência, que antes era de dois voos semanais, deve-se ao retorno antecipado de um dos dois Airbus A330-200 que estavam arrendados à TAP.

No ano passado, em decorrência da desaceleração econômica e redução na demanda por voos internacionais, a Azul cedeu à companhia aérea portuguesa duas aeronaves do modelo com capacidade para 272 passageiros.

A previsão inicial era de que os equipamentos fossem devolvidos em 2018 e 2019. A decisão de aumentar a oferta em algumas rotas, como Recife-Orlando, precipitou a volta das aeronaves.

“Temos registrado alta demanda na rota [Recife-Orlando] e isso nos mostra que fomos certeiros ao implementar esse voo, apenas seis meses atrás.”
Daniel Tkacz, diretor de Planejamento de Malha da Azul.

O primeiro A330-200 retornou em maio e entrou na malha da companhia no último sábado (1.º). A segunda deve ser transladada ainda neste mês.

Quando completado esse processo, a Azul terá sete aviões A330-200. Atualmente eles servem não só os destinos internacionais, como Orlando, Fort Lauderdale e Lisboa, mas também operam nas rotas domésticas para Recife e Manaus, ambas saindo de Campinas.

Por enquanto a companhia não informou qual rota ganhará mais frequências com o retorno da aeronave que ainda está em operação na TAP, nem se um novo voo será acrescentado à malha da Azul.

Outras aeronaves da Azul

Enquanto os A330-200 estão retornando, não há nenhuma previsão de volta dos outros aviões que a Azul arrendou à TAP. Até agora, 19 aeronaves atravessaram o oceano, sendo nove Embraer E190, quatro Embraer E195 e seis ATR-72, todos ostentando a marca da TAP Express, braço regional da companhia portuguesa.

Apesar de perder um grande número de aeronaves, inclusive somadas a outras que foram vendidas ou devolvidas, a Azul tem reforçado a frota com a chegada dos Airbus A320neo, com capacidade para 174 passageiros, bastante superior aos 118 do Embraer E195, maioria na frota da companhia.

Por enquanto a empresa recebeu oito dos 65 Airbus A320neo que foram encomendados, e os colocou nas principais rotas domésticas, partindo de aeroportos como Campinas, Guarulhos, Porto Alegre, Belo Horizonte e Salvador.

Gustavo Ribeiro
Fundador e editor-chefe do AviaçãoJor.

Leia também

Premiação da Copa do Mundo de 2018 na Rússia com ação da Qatar Airways (Foto: Divulgação/Qatar Airways)

Por que as aéreas do Oriente Médio investem pesado no futebol

Emirates, Eithad Airways e Qatar Airways usam competições e clubes para divulgarem suas marcas. Resultado em campo soma títulos nacionais e europeus
Mercado de turbolélices é dominado por ATR e Bombardier (Foto: Divulgação/ATR)

Por que a Embraer quer voltar a fabricar aviões turboélices?

Fabricante brasileira acredita que ATR e Bombardier oferecem aeronaves antigas e que pode mudar o jogo
Aeroporto de Guarulhos é a principal porta de saída do Brasil (Foto: Divulgação/GRU Airport)

Aéreas brasileiras crescem no mercado internacional

Novas rotas e reforço de frequências têm marcado 2017 para Avianca Brasil, Azul, Gol e Latam
Netflix tem parcerias com Aeromexico, Qantas e Virgin America (Foto: Divulgação/Virgin America)

Netflix quer ampliar oferta a bordo dos aviões

Empresa de entretenimento prepara lançamento de novo serviço, mais rápido e leve, voltado para aeronaves com wi-fi