Iata: Crescimento do mercado de carga aérea atingiu o topo

A demanda global do mercado de carga aérea cresceu 12,7% em maio de 2017 na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo dados da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata).

O avanço foi o mais expressivo dos cinco primeiros meses deste ano, acima dos 8,7% registrados em abril.

E apesar dos sinais positivos, a Iata acredita que o ciclo de crescimento do setor tenha chegado ao limite em 2017.

“A indústria [da carga aérea] não pode se apegar a esses números. Com indicativos de que o período cíclico de crescimento tenha atingido o pico, o recado para a indústria é de que precisam melhorar suas propostas de valor acelerando o processo de modernização e aprimorando o atendimento ao cliente.”
Alexandre de Juniac, diretor-geral e CEO da Iata.

Mesmo assim, a projeção para o restante do ano é positiva. A expectativa da associação é que o terceiro trimestre registre um aumento na demanda na casa dos 8% em relação a 2016.

Crescimento menor na América Latina

Com avanço de 6,7%, a América Latina foi o único continente que não atingiu os dois dígitos de crescimento na demanda por carga aérea em maio.

De acordo com análise da Iata, o desempenho da região foi impactado pelos ambientes econômico e político. Isso forçou as companhias aéreas a ajustarem a capacidade de transporte de carga.

Por outro lado, a África um incremento de 27,6% em maio de 2017, fruto da forte demanda por carga entre o continente e a Ásia.

Os números da carga aérea global

– África, 27,6%
– Europa, 15%
– América do Norte, 13,9%
– Ásia-Pacífico, 11,3%
– América Latina, 6,7%

Leia também

Premiação da Copa do Mundo de 2018 na Rússia com ação da Qatar Airways (Foto: Divulgação/Qatar Airways)

Por que as aéreas do Oriente Médio investem pesado no futebol

Emirates, Eithad Airways e Qatar Airways usam competições e clubes para divulgarem suas marcas. Resultado em campo soma títulos nacionais e europeus
Mercado de turbolélices é dominado por ATR e Bombardier (Foto: Divulgação/ATR)

Por que a Embraer quer voltar a fabricar aviões turboélices?

Fabricante brasileira acredita que ATR e Bombardier oferecem aeronaves antigas e que pode mudar o jogo
Aeroporto de Guarulhos é a principal porta de saída do Brasil (Foto: Divulgação/GRU Airport)

Aéreas brasileiras crescem no mercado internacional

Novas rotas e reforço de frequências têm marcado 2017 para Avianca Brasil, Azul, Gol e Latam
Netflix tem parcerias com Aeromexico, Qantas e Virgin America (Foto: Divulgação/Virgin America)

Netflix quer ampliar oferta a bordo dos aviões

Empresa de entretenimento prepara lançamento de novo serviço, mais rápido e leve, voltado para aeronaves com wi-fi