Embraer deixa Paris Air Show com 18 aviões vendidos

O embate entre Airbus e Boeing não ofuscou a participação da Embraer na Paris Air Show, evento bianual onde as companhias aéreas fecham acordos com fabricantes para a compra de aeronaves.

A empresa brasileira saiu da capital francesa com negócios que valem 3 bilhões de dólares, sendo 1 bilhão de encomendas firmes por 18 aeronaves – o restante são intenções de compras.

A principal venda saiu por 666 milhões de dólares. O cliente não divulgado comprou dez unidades do E190-E2. Belavia Airlines, JAL (J-Air), Fuji Dream e KLM Citihopper completam a lista dos clientes de Paris – essas fizeram compras de aeronaves da atual geração de E-Jets.

  • Cliente não divulgado – 10 E190-E2
  • Fuji Dream – 3 E175
  • KLM Cityhopper – 2 E190
  • Belavia – 1 E175 e 1 E195
  • JAL (J-Air) – 1 E190

A carteira da família E2 da fabricante brasileira agora tem 285 encomendas e 445 opções de compra e compromissos. E a expectativa da Embraer é que mais negócios sejam fechados ainda neste ano.

“Ao passo que avançamos para a segunda metade do ano, eu ficaria desapontado se não conseguirmos anunciar mais empresas se juntando ao programa [de jatos E2].”
John Slattery, presidente e CEO da unidade de aviação comercial da Embraer.

O Embraer E190-E2 está previsto para entrar em serviço no primeiro semestre de 2018, seguido pelo E195-E2 no ano seguinte. As duas aeronaves já estão realizando voos de teste. O último modelo da família, o E170-E2, entrará em serviço em 2021.

Novo turboélice da Embraer

Com a previsão de que os E-Jets da segunda geração estejam em serviço em 2021, a Embraer já desenha o próximo passo para manter os engenheiros engajados.

Sem querer bater de frente com Airbus e Boeing no segmento de aeronaves com capacidade acima de 150 passageiros, a fabricante deu a entender durante a Paris Air Show que pode investir em uma nova aeronave turboélice, o que não faz desde o fim do projeto do E120, o Brasília, em 2001.

“É importante para nós como líderes do mercado regional que olhemos para as oportunidades que podem se apresentar nos próximos anos.”
John Slattery.

Dubai Dentist

Gustavo Ribeiro
Fundador e editor-chefe do AviaçãoJor.

Leia também

Premiação da Copa do Mundo de 2018 na Rússia com ação da Qatar Airways (Foto: Divulgação/Qatar Airways)

Por que as aéreas do Oriente Médio investem pesado no futebol

Emirates, Eithad Airways e Qatar Airways usam competições e clubes para divulgarem suas marcas. Resultado em campo soma títulos nacionais e europeus
Mercado de turbolélices é dominado por ATR e Bombardier (Foto: Divulgação/ATR)

Por que a Embraer quer voltar a fabricar aviões turboélices?

Fabricante brasileira acredita que ATR e Bombardier oferecem aeronaves antigas e que pode mudar o jogo
Aeroporto de Guarulhos é a principal porta de saída do Brasil (Foto: Divulgação/GRU Airport)

Aéreas brasileiras crescem no mercado internacional

Novas rotas e reforço de frequências têm marcado 2017 para Avianca Brasil, Azul, Gol e Latam
Netflix tem parcerias com Aeromexico, Qantas e Virgin America (Foto: Divulgação/Virgin America)

Netflix quer ampliar oferta a bordo dos aviões

Empresa de entretenimento prepara lançamento de novo serviço, mais rápido e leve, voltado para aeronaves com wi-fi