Embraer expande atuação nos EUA com voo do Legacy 500

A cerca de 110 quilômetros de Orlando, no setor Norte do aeroporto de Melbourne, nos Estados Unidos, uma área 42 mil metros quadrados comporta uma das maiores instalações da Embraer.

É de lá que saem quatro modelos de jatos executivos da fabricante brasileira. O mais recente, o Legacy 500, voou pela primeira vez nesta quinta-feira (13), e se juntou ao irmãos menores Legacy 450, Phenom 300 e Phenom 100.

“Esse voo é um marco importante para nossas operações em Melbourne, onde nós expandimos nossa linha de montagem e dobramos nosso espaço.”
Michael Amalfitano, presidente e CEO da Embraer Executive Jets.

Fundada em 2011, a linha de montagem de Melbourne já entregou cerca de 250 aeronaves, em negócios que atingem US$ 2 bilhões. A maioria para os Estados Unidos, mas também para Canadá, México, China e Austrália.

O espaço é estratégico para a Embraer, já que os Estados Unidos são o principal mercado de aviões executivos do mundo. A produção e a entrega ficam, assim, mais baratas para a fabricante e rápidas para os clientes.

As instalações, além da linha de montagem, contam com cabine de pintura, centro para instalação de interiores, uma área dedicada às atividades de preparação para voo, centro de entregas e um centro de logística.

Instalação da Embraer em Melbourne, nos Estados Unidos (Foto: Divulgação/Embraer)
Instalação da Embraer em Melbourne, nos Estados Unidos (Foto: Divulgação/Embraer)

Primeiro voo do Legacy 500 nos EUA

Após oito meses do início do processo de montagem do Legacy 500 em Melbourne, o avião realizou o primeiro voo. De acordo com a Embraer, a aeronave executou todos os procedimentos previstos e a performance foi como esperado.

“Estamos muito satisfeitos com esse marco do Legacy 500 e esperamos começar a entregar o avião no terceiro trimestre deste ano.”
Michael Amalfitano.

Gustavo Ribeiro
Fundador e editor-chefe do AviaçãoJor.

Leia também

Premiação da Copa do Mundo de 2018 na Rússia com ação da Qatar Airways (Foto: Divulgação/Qatar Airways)

Por que as aéreas do Oriente Médio investem pesado no futebol

Emirates, Eithad Airways e Qatar Airways usam competições e clubes para divulgarem suas marcas. Resultado em campo soma títulos nacionais e europeus
Mercado de turbolélices é dominado por ATR e Bombardier (Foto: Divulgação/ATR)

Por que a Embraer quer voltar a fabricar aviões turboélices?

Fabricante brasileira acredita que ATR e Bombardier oferecem aeronaves antigas e que pode mudar o jogo
Aeroporto de Guarulhos é a principal porta de saída do Brasil (Foto: Divulgação/GRU Airport)

Aéreas brasileiras crescem no mercado internacional

Novas rotas e reforço de frequências têm marcado 2017 para Avianca Brasil, Azul, Gol e Latam
Netflix tem parcerias com Aeromexico, Qantas e Virgin America (Foto: Divulgação/Virgin America)

Netflix quer ampliar oferta a bordo dos aviões

Empresa de entretenimento prepara lançamento de novo serviço, mais rápido e leve, voltado para aeronaves com wi-fi
error: O AviaçãoJor é uma agência de notícias e todo os conteúdos são protegidos por direitos autorais. Se você deseja reproduzir algum conteúdo, acesse o site da agência em http://www.aviacao.jor.br/agencia